A distância

Já repararam irmãos, que na grande maioria das vezes as distâncias que nos separam verdadeiramente das outras pessoas são “materialmente” imperceptíveis porque são quase sempre nossos pensamentos e sentimentos que fazem este papel?
Que estamos “realmente” separados e distantes muitas vezes daqueles que convivem conosco? E muito mais “próximos” e “unidos” com aqueles que estão a distância?
Então reflitamos: O que nos separa e distancia verdadeiramente das pessoas?
Nos distanciamos daqueles que nos dirigem palavras, para nós, ofensivas.
Nos distanciamos daqueles que nos incomodam.
Nos distanciamos daqueles que nos ferem.
Então, pergunto-vos: foi a outra pessoa que nos ofendeu ou nossos ouvidos interpretaram ofensivas suas palavras?
Por que algumas pessoas nos incomodam?
Não será porque nos fazem ver nossos defeitos refletidos nas suas atitudes?
Por que algumas pessoas nos ferem?
Não será porque nos deixamos ferir?
Creiam, sempre há os dois lados em todas as questões.
Será que a nossa “distância afetiva” dessas determinadas pessoas vai mudar, transformar alguma coisa?
E todos sabemos que a nossa “tarefa” nesta terra é transformar, mudar e evoluir.
A distância concreta é fácil de diminuir, não é? O pensamento, a memória, o telefone… são tantos os artifícios para driblá-la. Porém, a distância do coração, das atitudes; essas são bem mais difíceis, porque requerem humildade.
Humildade para verdadeiramente ouvirmos, olharmos e fazermos um movimento receptivo e acolhedor na direção das pessoas que nos incomodam ou ofendem.
E “ser” humilde é um dos estados que o espírito humano ainda tem muita dificuldade em compreender e consequentemente atingir.
É mais fácil nutrirmos sentimentos negativos, pois temos mais forças para isso; do que para buscarmos o contrário e que necessita de muito trabalho interno, que é uma nova maneira de “olhar” o próximo.
Mas posso assegurar-lhes de que esse trabalho vale a pena, sua recompensa é a paz, a tranquilidade na consciência.

voltar


%d blogueiros gostam disto: